O nível de exigências em relação a formação educacional , tem sido uma grande preocupação para os pais. As crianças nascem com personalidades distintas, que  precisam ser moldadas e adaptadas em seu convívio social. Por isso existem escolas que se diferem não só em bonitas e amplas instalações, mas principalmente, em seus alicerces, as chamadas linhas pedagógicas: Tradicional, Construtivista, Montessoriana ou Waldorf. É muito importante que os pais conheçam e compreendam a metodologia e as principais linhas educacionais utilizadas nas instituições. Só assim poderão optar pela escola que melhor atenda à filosofia, valores e às expectativas da família. Para ajudar quem está nessa situação, a pedagoga Larissa Fonseca explica as características sobre cada método de ensino.

“O ensino Tradicional, por exemplo, tem o aluno como passivo no processo de aprendizagem. Acredita-se na transmissão de conteúdos dos professores para os alunos”, esclarece Larissa. “Por outro lado, o Construtivismo (teoria criada por Jean Piaget) parte do princípio que as crianças são ativas no processo de aprendizagem, construindo seus conhecimentos a partir das experiências vivenciadas no dia a dia e suas descobertas, feitas pelo contato com o mundo e com os objetos”. Segundo a pedagoga, a teoria Montessoriana (desenvolvida pela médica Maria Montessori) é fundamentada na estimulação da criança por meio da manipulação de objetos. A própria médica criou o material educativo a partir do qual a criança explora e realiza diversas tarefas (pré-organizadas pelos educadores) de forma livre, gerando, assim, suas aprendizagens.

“A pedagogia Waldorf é uma linha antroposófica, criada a partir das idéias do filósofo alemão Rudolf Steiner, que busca o desenvolvimento da criança nos diferentes aspectos, incluindo físico, social, individual e espiritual. Ao invés de serem divididos por séries, os alunos são separados de acordo com a faixa etária, não havendo repetência. As aulas incluem artes até marcenaria”. A outra linha, denominada Pragmatismo, foi elaborada no início do século pelo educador norte-americano John Dewey e privilegia a resolução de problemas e ciência aplicada.

“Diante de tantas opções, uma variedade de aspectos deve ser considerada pelos pais na hora de fazer suas escolhas, abrangendo questões práticas como localização, preço e horário de atendimento, até a metodologia e filosofia da escola”, reforça Larissa. “Também é fundamental observar as características comportamentais da criança, assim como, seus interesses”.

Vale lembrar, que cada criança é diferente e, muitas vezes, pode ser necessário colocar os filhos em diferentes escolas, garantindo melhor desempenho escolar e desenvolvimento emocional pleno.

Fonte: Nestlé

Responder