Muito tem sido falado, com tom de crítica, do tal “raio gourmetizador”, onde o que poderia ser uma comidinha simples, ganha status e fama por conta dos seus ingredientes. Mas qual o mal nisso? Afinal, quem não gosta de boa comida e bons ingredientes? E quando falamos aqui de bons ingredientes, não nos referimos ao seu preço ou raridade, mas sim, a qualidade na sua produção, o cuidado no preparo e a capacidade de transformar e encher de sabores e sensações um prato de comida.

E, em se tratando de introdução alimentar e alimentação infantil, essa ideia de trazer sabores especiais à comidinha nossa de todo dia, é mais que bem-vinda. Nós, adultos, adoramos um bom restaurante, uma comida pensada e preparada por chefs e grandes cozinhas – mesmo que seja o bolo caseiro da nossa avó! – mas na hora de preparar a comida dos filhos, cozinhamos 3 legumes e uma proteína, batemos e servimos ao pequeno. Seis meses depois reclamamos que a pessoinha não gosta de nada… Que tal mudarmos esses hábitos, sem perder o foco nas recomendações médicas e nutricionais?

A chef, e mãe da Dora e da Charlote, Roberta Ciasca é uma pessoa apaixonada por boa comida e responsável pelo premiado restaurante Miam Miam no Rio de Janeiro. A cozinheira conta que quando começou a preparar as papinhas da sua 1ª filha achava meio estranho dar comidas sem grandes preparos. Seguindo as orientações do que pode ou não para cada fase, Roberta começou a oferecer misturas diferentes, como, por exemplo, oferecer fruta no purê salgado ou combinar o peixe com um abacate, numa versão “baby” de um mexicano, sem pimenta, claro.

A Deborah  mãe do Lucas, do Max e da Liz, brasileira que morou na Suíça, em Barcelona (Espanha) e agora está em Luxemburgo, também não acredita que comida de bebê tem que ser assim simplinha. Optante por uma alimentação saudável desde sempre para os filhos, escolheu usar ingredientes orgânicos, não adicionar sal ou açúcar nem industrializados na alimentação do trio até, pelo menos, os dois anos de idade. Entre os “gourmetizadores” que usa estão temperos comuns como canela, salsa, coentro, alecrim, tomilho e azeite de oliva extra virgem. As especiarias e ervas são usadas no cozimento dos legumes ou frutas, já o azeite, muito importante na alimentação das crianças para ajudar na formação do sistema nervoso, é usado na finalização das papinhas ou comidinhas dos meninos.

Conversamos com a nutricionista Patrícia Smith, também autora do Pitadas da Paty e apresentadora do canal Prapapá no youtube®, e ela nos ajudou a preparar um curso de Introdução Alimentar sem Segredos, para mostrar que além de saudável, a nutrição infantil pode ser gostosa e melhorar os hábitos de toda a família! Você já pode reservar sua vaga para a primeira turma AQUI!

Para inspirar, olha esse vídeo feito pelo New York Times onde levam 6 crianças do 2º ano fundamental para comer a comida de Daniel Boulud num dos mais elegantes restaurantes da cidade:

 

Na minha casa, além da minha mãe ter nos criado a base de muito tempero e comidas fora do arroz com feijão e em mesa montada como se fosse ter visita – sempre, eu e e Fabio tentamos fazer o mesmo com nossas crianças. Eles passaram a gostar tanto das aventuras em restaurantes diferentes que é uma das programações prediletas sempre!

E você? Qual o seu segredo gourmet para os filhotes?

Abraço,

Cynthia Jacques – diretora da KIDS in, mãe da Luiza, boadrasta do Felipe e do Mateus, tia do Phill, madrinha do Gui, tia de um monte de criança maneira, ex-professora de ballet e sapateado além de fonoaudióloga

 

Responder