Carnaval pode dividir opiniões: alguns amam, outros odeiam. Mas tem algo que TODOS devem concordar: cair na folia pode ser ótimo, mas isso NUNCA deve prejudicar a saúde. Pensando nisso, convidamos a fonoaudióloga especialista em voz, Célia Galvão para dar algumas importantes dicas para garantir a saúde da voz e da audição dos pequenos foliões nas festas de Momo.

Confira as orientações da profissional e cuide bem dos filhotes carnavalescos!

O ano pode até começar depois do Carnaval, mas a saúde deve estar em foco o ano todo! Então, para não acabar a folia rouco, ou pior, com lesões auditivas irreversíveis por trauma acústico.

Saúde da voz e audição antes de cair na folia

Mesmo que sua criança não seja muito de cantar, em blocos, bailinhos e festas carnavalescas, o som alto faz com que tenhamos que falar bem alto, ou mesmo gritar. Por isso, alguns exercícios podem ajudar a minimizar o esforço. Além disso, há um aumento da poeira e fumaça por conta dos trios que podem ser prejudiciais para voz e aumentar as alergias respiratórias.

• Exercícios de relaxamento e de aquecimento da voz:

  1. Brinque com a criança de limpar a gengiva rodando a língua pela boca. Faça careta empurrando a língua contra as bochechas e fazendo biquinho e escondendo os lábios. Fazer barulhos divertidos vibrando a língua (“trrrr”), os lábios e bocejando. Rodar o pescoço em todas as direções também é uma boa forma de se preparar para soltar a voz!
  2. Antecipe-se ao baixo consumo de líquidos e à poeira e sujeira dos blocos e bailinhos fazendo nebulização com soro fisiológico.
  3. Fazer gargarejo com água morna e uma pitada de sal também ajuda a manter a região da boca e garganta limpa e hidratada, mas esta é uma opção para as crianças um pouco maiores que já conseguem controlar bem a água na boca.
  4. Para manter as vias respiratórias limpas, hidratadas e saudáveis, faça higiene das narinas com soro fisiológico ANTES e DEPOIS da folia.

Durante a folia

  • 🎼 Olha, olha, olha a água mineral! 💦 Já não bastasse o calor da época, a aglomeração de pessoas, a farra de correr, pular e dançar levam à perda ainda maior de líquidos. Por isso, é fundamental ficar de olho na hidratação dos pequenos. Água, água de coco e sucos são perfeitos. O ideal é oferecer várias vezes, em pequenos goles, de preferência em temperatura ambiente para evitar o choque térmico.
  • Evite ao máximo ficar nas laterais de trios, próximo às caixas de som ou dos músicos. Além de levar ao abuso vocal que leva à rouquidão e até à formação de calos nas pregas vocais, pode causar trauma acústico. O trauma acústico pode ser irreversível dependendo do nível e dos órgãos auditivos atingidos. E não são apenas os sons repentinos como os de explosão que levam ao trauma, exposição prolongada a sons de alta intensidade também causam lesão.
  • Pode ser bem difícil, mas o ideal é tentar que a criança – e você também – não grite, mantendo o tom de voz mais perto do habitual. Como mencionado antes, gritar provoca intenso atrito das pregas vocais, o abuso vocal.
  • Ofereça comidinhas leves, com pouco teor de gordura, condimentos e cafeína (chocolate e mate, por exemplo, têm alto teor de cafeína). Além de serem de mais fácil digestão, elas ajudam a prevenir a desidratação e ressecamento de pregas vocais.
  • Fracionar a dieta, ou seja, comer menos porém mais vezes ao dia ajuda não só a saúde vocal mas em geral.
  • Roupas leves e confortáveis são palavra de ordem! Vale para todo o verão, mas em especial durante o Carnaval. Sim, crianças ficam fofas fantasiadas, ama roupas de heróis. Mas, calor excessivo, movimentação intensa e roupas mais pesadas não combinam: fazem suar mais levando à desidratação e alergias tópicas. E se forem apertadas ainda atrapalham a boa respiração e, consequentemente, a voz!

Cuidados depois da folia

Quando voltar com os pequenos de blocos e bailes, deixe-os descansarem bastante. Atividades como ver um filme, jogar jogos de montar ou desenhar são boas opções para acalmar caso a criança não queira dormir. Ofereça bastante líquido para repor a hidratação e frutas e comidinhas saudáveis para repor as energias para os outros dias de festa.
Agora, muito importante: se mesmo depois de todas estas recomendações a criançada ficar rouca e/ou demonstrar dificuldades para ouvir, como não atender quando você chamar ou ficar perguntando “o quê?” para tudo que se fala, por exemplo, procure um médico otorrinolaringologista e um fonoaudiólogo.

Célia Galvão é fonoaudióloga especialista em voz, responsável pela Estação da Voz, empresa que presta assessoria, consultoria e treinamento na Expressão Vocal com atendimentos à crianças a partir dos 3 anos.

 

Responder